Norte da Argentina: um espetáculo de formas e cores

A Argentina é um dos países com mais diversidade paisagística da América do Sul. Já vos falei sobre o Sul, a Patagónia, onde puderam também ver fotos de montanhas cobertas de neve, glaciares, lagos e parques. Ora, o Norte da Argentina (o Noroeste Argentino, como os Argentinos costumam chamar) também tem muitas montanhas, aliás até fica situado a uma altitude mais elevada do que o Sul que pode chegar até aos 5 mil metros, no entanto estas montanhas são bem diferentes. Estou a falar-vos deste tipo de montanhas: coloridas! Imaginem isto misturado com desertos de areia e sal, cactos gigantes e mais montanhas coloridas. É uma energia completamente diferente.

dsc02816.jpg

O espetacular Cerro de las 14 Colores

Se ainda não vos convenci a não deixar passar o Norte do País, tenho muito mais para vos contar.

Cheguei a Salta diretamente desde Córdoba num autocarro noturno que demorou 12 horas. É comum viajar-se em autocarros noturnos para evitar perder um dia em que se podia estar a descobrir a cidade ou mesmo para poupar uma noite de estadia num hostel (truques!). Cheguei bastante cansada mas pronta para explorar Salta, uma cidade que é conhecida pelas suas igrejas e catedrais de estilo colonial. No mesmo dia subi ao Cerro de São Bento pelas inúmeras escadas até ao topo. Assim que se chega a Salta é possível observar a diferença das pessoas em termos físicos, a maior parte dos Saltenhos tem traços indígenas, muito parecidos com os Bolivianos.

DSC02065DSC01970DSC02054

No hostel onde fiquei, que eu não recomendo, (no entanto se procuras recomendações de estadia em Salta, posso indicar o Coloria hostel, que ouvi falar bastante bem) conhecemos uma rapariga Alemã e um rapaz Israelita que alinharam em alugar um carro todos juntos para partirmos à descoberta. É uma das formas preferidas dos viajantes para conhecer as províncias de Salta, Tucuman e Jujuy. Tudo depende do tempo disponível para conhecer estas regiões. Eu diria que o tempo mínimo é de 5 dias, mas com mais tempo aproveita-se melhor e conduz-se menos horas por dia! Quanto a alugar um carro, aconselho a 100% fazê-lo. Não faltam agências de aluguer de automóveis, eu aluguei com uma agência na Calle Buenos Aires e correu tudo lindamente.

dsc02085.jpg

Prontos para começar a aventura na estrada!

DIA 1: SALTA-CAFAYATE (310km / ~10h) Saída de Salta em direcção a Cafayate pela Ruta 40, passando por Cachi.

Saindo de Salta não demorou muito até que a paisagem se alterou e ficámos rodeados de montanhas, cactos e formações rochosas. Um espetáculo, mesmo! O tempo estava um pouco encoberto mas mesmo assim a paisagem era de cortar a respiração. Chegámos a Cachi passadas 4 horas (150Km) e parámos para comer uma humita, passear pela vila e seguimos caminho. A Ruta 40 é conhecida por ser uma das rotas mais conhecidas pela sua beleza mas também pelas suas condições precárias, razão pela qual de Cachi até Cafayate demorámos perto de 6 horas para fazer 160Km. Mas não te assustes porque faz-se muito bem; apetece parar a cada 5 minutos para tirar uma foto. O cenário é mágico e conduzir nesta estrada é maravilhoso! A estrada era praticamente nossa, não se via quase carros nenhuns e a cada curva éramos presenteados com uma nova formação rochosa, parte da Quebrada de las Flechas. Já quase a ficar de noite parámos (quase pela décima vez) para subir a umas rochas e ver o pôr do sol. Um momento para recordar.

DSC02167DSC02183DSC02202DSC02236DSC02284DSC02299DSC02311

Atracões: Parque Nacional los Cordones, Quebrada de las Flechas, Valles Calchaquíes

Hostel: Casa Arbol (muito bom, 5 estrelas)

DIA 2: CAFAYATE-SALTA (196Km) pela Quebrada de las Conchas.

Em Cafayate não podes deixar de provar o vinho delicioso que esta região oferece e quem sabe visitar uma bodega e vinícolas da região. Há muitas opções e todas são encantadoras. El Esteco é uma das mais importantes na Ruta del Vino de Cafayate, fica a sugestão. Aqui podes conhecer mais sobre a produção local e tudo o que está relacionado com o assunto. Recomendo também uma paragem na La casa de las empanadas, onde podes escolher entre muitos sabores!

O nosso objectivo do dia era chegar a Salta para depois continuar para o Norte, mas não resistimos em ir até às Ruínas Arqueológicas de Quilmes (sitio arqueologico de los Quilmes) que fica a 50Km a sul de Cafayate, já na província de Tucuman. Visitámos também o pueblo Quilmes que fica a caminho, que era uma tribo indígena conhecida por ter resistido à invasão inca. Nas ruínas, ainda é possível ver a fortaleza que os Quilmes construíram para proteger e poder avistar de longe os inimigos. É um lugar muito interessante para visitar pela sua história, para não falar que é um sitio espetacular cheio de cactos gigantes e uma vista incrível. Aconselho a visitares o centro de interpretação e o Museu antes de ires até as ruínas, vai tudo fazer mais sentido.

DSC02321DSC02356DSC02380

Depois do dia anterior, não acreditava que fosse possível que a paisagem melhorasse. Assim que deixámos Cafayate, depois de visitar Quilmes, os seguintes 50Km pela Ruta Nacional 68 foram absolutamente deslumbrantes em termos de paisagem. A Quebrada de las Conchas, conhecido também como o paraíso vermelho, é uma área extensa composta por diferentes formações rochosas conhecidas por fazerem lembrar certas coisas: castelos, comboios, sapos, etc. A ideia é ir conduzindo e parando nestes lugares, mas vai com bastante atenção porque é fácil  perder algumas destas atrações. Por ordem, desde que saímos de Cafayate de volta a Salta vais encontrar Los Castillos, El Obelisco, Anfiteatro, Mirador Tres Cruces, Garganta del Diablo, entre outras que são mais difíceis de encontrar. Estas estão bem assinaladas! Perde-te por estes lugares, sai do carro e caminha até elas, sobe a Garganta Del Diablo, não fiques apenas no início a tirar fotos. É uma viagem espetacular. Acabámos por dormir em Salta porque já era tarde para continuar a conduzir.

DSC02438DSC02406dsc02457.jpgdsc02465.jpg

DSC02497

DIA 3: SALTA-TILCARA com paragem em San Salvador de Jujuy e Purmamarca.

Na manhã seguinte partimos bem cedo em direção a San Salvador de Jujuy, a capital da província de Jujuy. Tens duas opções de caminho para lá chegar: pela estrada principal (auto-estrada) ou pela nacional. Na altura usámos maps.me como o nosso GPS e indicou-nos o caminho pela estrada nacional, nem nos apercebemos que havia outra opção. Demorou muito mais tempo mas a paisagem é espetacular, muito verde à volta, rios e cascatas. A estrada está em boas condições mas tem muitas muitas curvas e..animais na estrada! Chegando a S.S. de Jujuy parámos para almoçar, beber um café e passear pela cidade. Talvez não aconselhe parar em S.S de Jujuy se vais com o tempo contado, não achei nada de especial. É uma cidade grande comum. Depois de darmos umas voltas por lá, seguimos viagem até Purmamarca.

dsc02526.jpgDSC02525

A 66Km de Jujuy encontra-se o povo de Purmamarca, conhecido por dar lugar ao Cerro de las Siete Colores. Um clássico postal do norte do país! Paragem obrigatória. Não consigo explicar a energia destes lugares, todos estes povos no norte são mágicos, rodeados de montanhas por todas as partes. Purmamarca conserva ainda a arquitetura colonial, os tons castanhos das casas construídas com tijolo de barro e o piso em terra batida. Demos a volta toda à vila em apenas meia hora, perdemo-nos pelas lojinhas de artesanato na praça central, caminhámos por entre as montanhas que rodeiam Purmamarca e sentámo-nos a apreciar a paisagem por um bom bocado. A melhor hora para observar o Cerro de las Siete Colores é depois das 10h da manhã quando o sol começa a incidir e é possível observar as diferentes camadas de cores. Cada camada refere a um período geológico diferente, são mais de 75 milhões de anos envolvidos na formação desta montanha.

DSC02660DSC02546DSC02543lrg_dsc02592img_3006lrg_dsc02725

Depois de processar esta experiência e refletir sobre tudo o que nos rodeava seguimos viagem até Tilcara onde passámos a noite. Também é possível passar a noite em Purmamarca. Apesar do povo ser bastante pequeno tem boas infraestruturas para receber turistas.

Atrações: San Salvador de Jujuy, Purmamarca, Cerro de las Siete Colores

Hostel: Tilcara Hostel (5 estrelas)

DIA 4: TILCARA-HUMAHUACA. HUAMAHUACA-TILCARA.

De manhã passeámos um pouco por Tilcara, outra vila de cultura indígena, paisagens de cortar a respiração, pessoas vestidas de forma muito colorida, já a lembrar bastante a Bolívia. Aqui pelo Norte as pessoas mastigam muito folhas de coca para combater a falta de energia que resulta das altas altitudes. Eu provei mas não gostei nada do sabor. No entanto o chá de folha de coca já é suportável e também ajuda com as dores de estômago, dores de cabeça ou falta de energia. Fica a dica!

DSC02730

A 45 minutos de distância está Humahuaca, o povo que dá nome à Quebrada de Humahuaca, património cultural da humanidade da UNESCO. A Quebrada tem 155Km de comprimento, estendendo-se em sentido norte-sul até à fronteira com a Bolívia. Vai desde Volcán e passa for Purmamarca e Tilcara também.

Aconselho a parar no povo de Humahuaca para conhecer e seguir caminho até à Serrania del Hornocal. Aqui está o Cerro de las 14 Colores, a 4350 metros acima do nível do mar! Uma das paisagens mais espetaculares de sempre, um espectáculo por si só de formas e cores. Este caminho é praticamente todo em terra batida e deve de ser feito muito devagar. Na altitude o consumo aumenta por isso assegura-te que tens gasolina suficiente para chegar até lá! Não é só o carro que sofre, vai parando para te aclimatizares à altitude. À medida que começas a subir, a respiração vai ficando mais pesada e a altitude faz-se sentir. Bebe muita água antes e durante, ajuda bastante. Assim que te vais aproximando vais começar a ver a montanha colorida em forma de triângulos. Parece que foi feita por alguém, mas é só mais uma dádiva da natureza. Com o carro só podes ir apenas até um certo ponto, mas se quiseres ir mais perto podes ir até ao mirador descendo 300 metros. Há quem prefira não fazê-lo porque é puxado a nível físico voltar a subir devido à altitude. Pode mesmo ser perigoso para quem não esteja preparado fisicamente. Se te sentires bem vai, tens uma vista incomparável e claro, podes tirar melhores fotos!

DSC02755DSC02762

Neste mesmo dia voltámos para Salta porque tinhamos de entregar o carro no dia seguinte às 9 da manha, mas desta vez optámos pelo caminho mais rápido, uma vez que já tinhamos feito o trajeto antigo pela Ruta 9. Aqui também pudemos encher o depósito do carro, não faltam estações de serviço.

Atrações: Quebrada de Humahuaca, Serrania del Hornocal (Cerro 14 Colores)

Sem dúvida que um dos pontos altos da minha viagem até agora foi o Norte da Argentina e acho que alugar um carro é um “must do”. Há tours que fazem estes trajetos mas não é a mesma coisa. A liberdade de poder parar onde te apetece e escolher onde queres ficar mais tempo não tem preço. Seguramente que se estás sozinho/a, vais encontrar rapidamente alguém no Hostel ou quem sabe num bar ou numa free walking tour pela cidade de Salta que se queira juntar a ti! Boa sorte e alguma dúvida que tenhas sobre o que quer que seja não hesites em perguntar nos comentários.

Safe travels!

2 thoughts on “Norte da Argentina: um espetáculo de formas e cores

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s